Desenvolvimento sustentável nas organizações como oportunidade de novos negócios

Macsuel Miranda de Oliveira, Maria Helena Amaral da Silva Medeiros, Rosangela Leopoldino da Silva, Giovana Azevedo Pampanelli Lucas

Resumo


A sustentabilidade pode ser entendida como a convivência harmoniosa do homem com a natureza. O objetivo do presente estudo é identificar como uma empresa pode crescer em termos econômicos adotando práticas de sustentabilidade.  Para alcançar o objetivo proposto, o trabalho tem como finalidade analisar a responsabilidade dos indivíduos e das organizações ao que se refere à preservação do meio ambiente. As organizações têm como desafio encontrar soluções para ajustar crescimento as possibilidades de produção da natureza, e estabelecer critérios e parâmetros adequados para atender práticas de responsabilidade social, contribuindo assim, para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. O desenvolvimento de novas tecnologias, e novos processos que permitem um crescimento econômico com utilização de menos matéria-prima e a redução de recursos naturais beneficiam o meio ambiente e atrai a atenção do consumidor, o qual opta por empresas ambientalmente corretas. Os resultados do estudo apontam que, os investimentos em práticas sustentáveis proporcionam credibilidade para as organizações diante de seus stakerholders e retornam para a organização através de vantagem competitiva, evidenciados pela Empresa citada no estudo de caso, que compatibiliza crescimento econômico e sustentabilidade, através da inovação em seus processos e novas tecnologias.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fernando. Crescer com sustentabilidade. 2005. Fundação Nacional da Qualidade. Disponível em: http://www.fnq.org.br/download/classe_mundial/pdf05.pdf. Acesso em: 20 mai. de 2016.

ALONSO, Félix Ruiz. LÓPEZ, Francisco Granizo. CASTRUCCI, Plínio de Lauro. Curso de ética em administração. São Paulo: Atlas, 2006.

ASHLEY, Patrícia Almeida (coordenação). Ética e responsabilidade social nos negócios. 2. Ed. São Paulo: Saraiva 2005.

BELLEN, Hans Michael Van. Desenvolvimento Sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. 2004. Disponível em: www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2004000100005

‎Acesso em: 05 mai. 2016.

BERARDI. Pátricia Calicchio. A Evolução do conceito de governança corporativa à luza da ética: uma análise longitudinal. 2008. Disponivel em:

bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/.../Tese%20PBERARDI%20maio%202012.pdf?..Acesso em: 15 jun.2016.

CERVO, Amado L. et al. Metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. Ed. Porto Alegre. Penso, 2014. 341p.

COUTO, Elení Pereira. Desenvolvimento (IN) Sustentável – Centro Científico Conhecer. 2014. Disponível em:

www.conhecer.org.br/enciclop/2014c/pdf/desenvolvimento.pdf- Acesso em: 01 jun 2016.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: Princípios e práticas/ Genebaldo Freire Dias-9. Ed- São Paulo: Gaia, 2004.

ESTENDER, Antonio Carlos. Estratégias de desenvolvimento sustentável estudo de caso: Grupo Itaú- Unibanco. 2010. Disponível em:

revistas.ung.br › Capa › Vol. 4, No 1 (2010) › Estender

‎Acesso em: 10 jun. 2016.

INBS. Relatório Brundtland. Definição e princípios. Disponível em: http://www.inbs.com.br/ead/Arquivos%20Cursos/SANeMeT/RELAT%23U00d3RIO%20BRUNDTLAND%20%23U201cNOSSO%20FUTURO%20COMUM%23U201d.pdf. Acesso em: 25 mai. de 2016.

IRANI, Celulose S.A.. Release de Resultados – 4T09 e 2009. Disponível em: http://www.irani.com.br/uploads/informacao_financeira_ri/bb1eed7dd2c118d6cfffaa77fce6a232f6651ca9.pdf. Acesso em: 15 jul. de 2016.

LAZZAROTTI, Fábio.; SEHNEM, Simone.; et al. (2014). Tecnologias ambientais e os impactos no desempenho econômico-financeiro: o caso da Celulose Irani S/A. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/29930/tecnologias-ambientais-e-os-impactos-no-desempenho-economico-financeiro--o-caso-da-celulose-irani-s-a. Acesso em: 5 mai. de 2016.

LEAL, Édia Medeiros. A Comunicação externa como fator determinante para firmar parcerias empresariais no terceiro setor. 2011. Disponível em: http://www.leg.ufpi.br/subsiteFiles/admpicos/arquivos/files/EDIA%20MEDEIROS%20.pdf

Acesso em: 15 mai. 2016.

MARTINS, Sara Lucia. A proporcionalidade no licenciamento ambiental: um estudo a partir do caso empreendimento Hotel marina parque ponta do coral. 2013. Disponível em:

https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/.../Monografia_Versão_Final.pdf?sequence...

Acesso em: 05 mai. 2016. ‎

NASCIMENTO. Elimar pinheiro do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. 2012. Disponível em: www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142012000100005 – Acesso em: 12 jun. 2016.‎

PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR., Arlindo. Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri, SP: Manole, 2005. - (Coleção ambiental; 3).

Revista Canção Nova. Ano XIII- Nº 186- jun. de 2016.

SANTOS, Débora Oliveira. Sistema de gestão ambiental, sustentabilidade e vantagem competitiva: em busca de uma convergência. 2006. Disponível em:

www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2006_tr520346_7976.pdf

‎Acesso em: 10 mai. 2016.

SOUZA, Nelson Mello. Educação ambiental: dilemas da prática contemporânea / Nelson Mello e Souza. – Rio de Janeiro: Thex Ed: Universidade Estácio de Sá, 2000.

THORNTON, D.; KAGAN, R. A.; GUNNINGHAM, N. Sources of corporate environmental performance. California Management Review, v. 46, n. 1, 2003.

WAGNER, M.; VAN PHU, N.; et al. The relationship between the environmental and economic performance of firms: an empirical analysis of the European paper industry. Corporate Social-Responsibility and Environmental Management, v. 9, n. 3, p. 133-146, Sept. 2002.




DOI: https://doi.org/10.22408/reva1120161542-66

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Flag Counter

Revista Valore 
ISSN: 2525-9008