Complicadex? Não! Simplex!

Gabriel Luís da Conceição

Resumo


Este trabalho objetiva analisar a possibilidade de inserção da tecnologia, articulando-a com a Matemática nas aulas de Pesquisa Operacional, mais especificamente nos tópicos relativos ao método Simplex, algoritmo de solução de problemas de Programação Linear. Trata-se de um tema essencial da Matemática aplicada a diversas áreas da ciência, como Administração, Engenharias, Economia, etc, e temida por seu formato extenso de resolução, denominado por muitos de "complicadex". Norteamos nosso trabalho pela seguinte questão: como podemos explorar os conceitos e aplicações do método Simplex em sala de aula de maneira significativa aos futuros profissionais que dele farão uso? Para atingirmos os objetivos propostos realizamos um estudo experimental com alunos da graduação em Administração, onde utilizamos a metodologia de pesquisa-ação e os pressupostos da Educação Matemática. As construções e interações dos alunos na realização das atividades nos levaram a perceber que a introdução da tecnologia contribui de forma significativa para a aprendizagem desses conceitos, possibilitando a interação e consequente compreensão dos conceitos, temas e propriedades do Simplex por parte dos discentes e também possibilita uma melhora significativa na avaliação da disciplina.


Texto completo:

PDF

Referências


CANAVARRO, A. P. Concepções e práticas de professores de matemática: três estudos de caso. 1993. 361f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação da Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1994.

CARRAWAY, R. L; CLYMAN, D. R. Managerial relevance: the key to survival for OR/MS. Interfaces, v 27, n.6, pp.115-130, 1997.

COLIN, E. C. Pesquisa Operacional: 170 aplicações em estratégia, finanças, logística, produção, marketing e vendas. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

CORTELLA, M. S. Informatofobia e Informatolatria. Equívocos na Educação. Disponível em http://www.inep.gov.br/pesquisa/bbe-online/det.asp?cod=518898type=P. Acesso em 12/07/2016.

D’AMBROSIO, U. Educação matemática: da teoria á prática. Campinas, SP: Papirus, 1996, p. 17-28. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

FAINGUELERNT, E. K. Educação Matemática: Representação e Construção em Geometria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

FAINGUELERNT, E. K.; NUNES, K. R. A. Matemática: práticas pedagógicas. Porto Alegre: Penso, 2012.

GRAVINA, M. A. Geometria dinâmica: uma nova abordagem para a aprendizagem da Geometria. In: Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Belo Horizonte, 1996. Anais. Disponível em: http://www.ufrgs/espmat/disciplinas/geotri/pdf/maria-alice_geometriadinamica1996-vii_sbie.pdf. Acesso em 23/07/2016.

LUCKESI, C. C. Considerações gerais sobre avaliação no cotidiano escolar. Aprender à Fazer. Curitiba, PR, n.36, p.4-6, 2004.

MOREIRA, D. A. Pesquisa Operacional: curso introdutório. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

PONTE, J. P. Tecnologias da informação e comunicação na formação de professores: que desafios? Revista Ibero-Americana de Educação, n. 24, p. 63-90, 2000. Disponível em: http://www.rieoei.org/rie24a03.htm. Acesso em 23/07/2016.

PONTE, J. P.: BROCADO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autentica, 2003.

RIBEIRO, O. J. Educação e novas tecnologias: um olhar para além das técnicas. In: COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. (Org.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Atlântica, 2005, p. 86-97.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

VALENTE, J. A. As tecnologias digitais e os diferentes letramentos. Revista Pátio. Porto Alegre, RS, v. 11, n. 44, nov. 2007 / jan. 2008.




DOI: https://doi.org/10.22408/reva1120161867-81

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Flag Counter

Revista Valore 
ISSN: 2525-9008