ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO E INCLUSÃO EDUCACIONAL: CONSTRUINDO PONTES PARA O ENCONTRO ENTRE O DIFERENTE E A DIFERENÇA

Edneusa Lima Silva, Vandressa Cristina

Resumo


Acompanhamento terapêutico (AT) é uma modalidade de atendimento com ênfase no fortalecimento dos laços sociais, amplamente utilizado no acompanhamento de crianças com diagnóstico do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e que estão à margem da sociedade, como recurso para auxiliar a inclusão educacional. O Acompanhamento Terapêutico tem sido utilizado cada vez mais como recurso auxiliar no processo educacional de crianças com graves distúrbios de desenvolvimento. Algumas escolas regulares da rede particular e pública têm desenvolvido projetos de inclusão de crianças com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e TEA, onde o trabalho do AT entra como um agente facilitador do processo inclusivo. Por meio de seu trabalho, o AT cria as condições para que a criança possa frequentar a escola, beneficiando-se do processo educativo. No interior da escola, o trabalho do AT consiste em um acompanhamento da criança durante todo o período escolar, dentro e fora da sala de aula, procurando construir e fortalecer vínculos sociais com os colegas e ao grupo de crianças com os quais convive, assim como envolvê-la nas atividades propostas pelo professor. Considerando a importância do processo inclusivo, o presente trabalho visa identificar as funções inerentes ao trabalho do profissional que realiza o acompanhamento terapêutico e, que transformou essa modalidade de atendimento em recurso essencial ao processo de socialização e inclusão social e educacional. O AT realiza a função de ser porta-voz do aluno diferente, essa atribuição lhe permite oferecer tanto à criança que acompanha quanto para as crianças com as quais, essa, se relaciona, a possibilidade de ser reconhecido não só como aquele que "bagunça, atrapalha e detona", porque consegue colocar em palavras os atos bizarros e abruptos que a criança manifesta, deslocando essas atitudes incomuns para o campo do comportamento diferente, a fim de que seja construído o campo fértil de troca, que possibilite o encontro entre as pessoas diferentes e as diferenças que são características comuns de todos os seres com ou sem deficiência. Entender e decifrar o que essas crianças querem transmitir não é uma tarefa fácil, uma vez que apontam para a própria resistência da escola em “sair de seu lugar cômodo” e desprender de seus ideais. A riqueza dessa proposta é perceber a contribuição que cada profissional pode oferecer ao construir com o fazer cotidiano, pontes simbólicas que permitem os contatos, as trocas e a possibilidade de aprender. 


Texto completo:

PDF

Referências


ASSALI, Andréa Maia. Inclusão escolar e acompanhamento terapêutico: possibilidade ou entrave? In: PSICANALISE, EDUCACAO E TRANSMISSAO, 6., 2006, São Paulo. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032006000100017&lng=en&nrm=abn Acesso em 22 Junho de 2017.

BARROS, Juliana Fernandes de & BRANDÃO, Daniela Bridon dos Santos Reis (2011). Acompanhamento terapêutico: (re)pensando a inclusão escolar. In X Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional. Maringá, PR. Disponível em: Acesso em junho de 2017.

BERTAZZO, Joíse de Brum. Acompanhamento escolar e transtornos do espectro do autismo. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/804-0.pdf >. Acesso em maio de 2017.

BRASIL, 2008. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.

_____, 2012- LEI Nº 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

_____. [Estatuto da pessoa com deficiência (2015)]. Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência [recurso eletrônico]: Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, que institui a Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência) / Câmara dos Deputados. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. – (Série legislação; n. 200). Versão PDF. Disponível em:. Acesso em março de 2017.

_____. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (2003). Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas.

BRITO, Adriana Rocha; VASCONCELOS, Marcio Moacyr de. Conversando sobre autismo - reconhecimento precoce e possibilidades terapêuticas. In: CAMINHA, Vera Lúcia; HUGUERIN, Juliane; ASSIS, Lúcia M.: e ALVES, Priscila Pires. Autismo: vivências e Caminhos. São Paulo : Blucher, 2016. 3 Mb; ePUB.

CABRAL, Cristiane Soares; MARIN, Angela Helena. Inclusão escolar de crianças com transtorno do espectro autista: uma revisão sistemática da literatura. Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Educação em Revista|Belo Horizonte |n.33|e142079|2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v33/1982-6621-edur-33-e142079.pdf.> Acesso em junho de 2017.

CHAUÍ-BERLINCK, Luciana. Brasil O acompanhamento terapêutico e a formação do psicólogo: por uma saúde humanizada. Universidade de São Paulo (USP), São Paulo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 62, n. 1, 2010. Disponível em < http://www.psicologia.ufrj.br/abp/> Acesso em 24 de março de 2017.

GAVIOLI, C.; RANOYA, F.; ABBAMONTE, R. A Prática do Acompanhamento Educacional na Inclusão Escolar: do Acompanhamento do Aluno ao Acompanhamento da Escola. Colóquio do LEPSI IP/FE-USP: Psicanálise, Infância e Educação, São Paulo, 2002. Recuperado em 25 de Setembro de 2010. Disponível em: Acesso em março de 2017.

GINGER, Serge.; GINGER, Anne. GESTALT: Uma terapia do contato. 3ª ed.São Paulo: Summus Editorial, 1995.

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION – APA. -5ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

MIRANDA, Arlete Aparecida Bertoldo. Reflexões desenvolvidas na tese de doutorado: A Prática Pedagógica do Professor de Alunos com Deficiência Mental, Unimep, 2003.

NASCIMENTO, Verônica Gomes, SILVA, Alan Souza Pereira, DAZZANI, Maria Virgínia Machado. Acompanhamento terapêutico escolar e autismo: caminhos para a emergência do sujeito. Estilos Clínicos, São Paulo, v. 20, n. 3, set./dez. 2015,520-534.Disponível em: Acesso em Janeiro de 2017.

PARENTE, Ana Fabrícia Vidal, BELMINO, Tássia Lobato Pinheiro. Acompanhante terapêutico e gestalt-terapia: uma junção possível. Universidade Regional do Cariri – URCA. Caderno de Cultura e Ciência, Ano X, v.14,n.1,Set,2015. Disponível em< http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/cadernos/article/view/900/pdf >. Acesso em Maio de 2017.

PERLS, F.; HEFFERLINE, R. e GOODMAN, P. Gestalt-terapia. 2 ed. São Paulo: Summus Editorial, 1997.

PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; SANTOS, Manoel Antonio. O acompanhamento terapêutico como estratégia de continência do sofrimento psíquico. Saúde Mental Álcool e Drogas. Volume 2/Nº.2, 2006. Disponível em . Acesso em 20 de março de 2017.

SERENO, Déborah. Acompanhamento terapêutico e educação inclusiva. Psychê — Ano X — nº 18 — São Paulo — set/2006 — p. 167-179.




DOI: https://doi.org/10.22408/reva31201858462-474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Flag Counter

Revista Valore 
ISSN: 2525-9008