A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOMETRIA NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: CONSTRUINDO SIGNIFICADOS

Anderson Oramisio Santos, Guilherme Saramago de Oliveira

Resumo


A Geometria está presente em diferentes campos da vida humana, seja nas construções, nos elementos da natureza em objetos que são utilizados no cotidiano. O objetivo deste estudo é situar o ensino da Geometria nos primeiros anos do Ensino Fundamental, como recurso pedagógico para a aprendizagem em Matemática. A pesquisa é de cunho qualitativa, cujos dados foram coletados mediante a pesquisa em documentos oficiais tais como os PCN (1997) – CBC (2006), bibliográfica apoiada nos estudos de: Pavanello (1989/1993), Lorenzato (1995), Gazire (2000), entre outros que discutem o tema. Concluiu-se que a Geometria é trabalhada de forma superficial, sem ligação com o cotidiano dos alunos nas aulas de Matemática nos primeiros anos do Ensino Fundamental. O estudo revelou a necessidade da formação pedagógica de forma que o professor aperfeiçoe e incorpore conhecimentos sobre Geometria em sua prática pedagógica, provocando intervenções que privilegiam novas situações de aprendizagem de conceitos e do pensamento geométrico.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves, E. M. S. A ludicidade e o ensino da Matemática: uma prática possível. São Paulo: Papirus, 2001.

Ausubel, D.; Novak, J.; Hanesian, H. Psicologia Educacional. Editora Interamericana, Rio de Janeiro, 1980.

______. Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva. Editora Plátano, 1ª edição. PT – 467 – Rio de Janeiro, 2003.

Blumenthal, G. W. Os PCN's e o Ensino Fundamental em Matemática: um avanço ou um retrocesso? Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 2013. Acesso em maio de 2014. Disponível em: http://www.somatematica.com.br/artigos/a3/

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

Cunha, M. I.; Fernandes, L. Formação continuada de professores universitários: uma experiência na perspectiva da produção do conhecimento. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Anais... Goiás, 1994.

D´Ambrósio, U. Da Realidade à Ação: Reflexões sobre Educação e Matemática. São Paulo: Summus Editorial, 1986.

Delmanto, D. et al. A Prova Brasil na escola. São Paulo: Cenpec; Fundação Tide Setubal, 2007.

Fainguelernt, K. E. O ensino da Geometria no 1º e 2º graus. In: Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Blumenau, ano III, n. 4, p. 45-53, 1995.

Figueira, C. Visualização da Geometria nos primeiros anos escolares. Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1ºs e 2ºs ciclos. Lisboa. Junho de 2007. Acesso em: 03 Maio 2014. Disponível em: http://www.ime.usp.br/~iole/visualiza%E7%E3o%20e%20Geometria.pdf.

Fonseca, M. C. F. R. et al. O ensino de Geometria na Escola Fundamental – Três questões para a formação do professor dos ciclos iniciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001

Freire, P. Educação e Mudança. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Hoffer, A. Geometry is more than Proof. The Mathematics Teachers, vol 74, nº1, USA, Janeiro, 1981.

Imbernón, F. Formação Docente e Profissional: forma-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

Lins, R. C. Olhando de Fora para Dentro: A educação Matemática como atividade. EPEM, 1995.

Milauskas, G. A. Problemas de Geometria criativos podem levar à resolução criativa de problemas. In: Lindquist, Mary, Montgomery, Shulte, Albert P. (Orgs.). Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual. p. 1-19, 1994.

Minas Gerais, SEE. Conteúdo Básico Comum (CBC) de Matemática no Ensino Fundamental. 2006. Acesso em 12 de março de 2014. Disponível em: http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema_crv/banco_objetos_crv/MATEMÁTICA.

Montezel, E. A. O lúdico e sua importância na aprendizagem matemática: jogos e brincadeiras na aprendizagem de matemática. São Paulo: Americana, 2005.

Moreira, M. A. A Teoria de Ausubel. In: Aprendizagem Significativa. Brasília: Editora UnB. 1999.

Moura, M. O. A formação do profissional de Educação Matemática. Temas e Debates – Sociedade Brasileira de Educação Matemática, São Paulo, Ano VIII, n. 7 p. 16-31, 1995.

Muniz, C. A. Explorando a Geometria da orientação e do deslocamento – In: MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO TP6 GESTAR II Matemática Brasília TP6 – GESTAR. 2007b.

Nctm. Normas para o Currículo e a Avaliação em Matemática Escolar. Lisboa: APM, 1991.

Negrine, A. Ludicidade como ciência. In: Santos, S. M. (Org.). Ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001.

Pavanello, R. M. O abandono do ensino da Geometria: uma visão histórica. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1989. Dissertação de Mestrado.

______. O abandono do ensino da Geometria no Brasil: causas e consequências. Revista Zetetiké, Ano 1, número 1, CEMPEM/F.E. UNICAMP, 1993.

______. Os alunos das séries iniciais do ensino fundamental e o conhecimento geométrico. Curitiba. Revista Pró-Matemática, 1998.

Pimenta, S. G. Pedagogia e Pedagogos, caminhos e perspectivas. Editora Cortez, 2000.

Ribeiro, F. D. Jogos e Modelagem na Educação Matemática. Editora IBPEX, 2008.

Snyders G. Para onde vai a Pedagogia não Diretiva. Lisboa: Moraes, 1978.




DOI: https://doi.org/10.22408/reva31201885388-407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Flag Counter

Revista Valore 
ISSN: 2525-9008